Gravadoras do X1 e IZ*ONE se reúnem para discutir o futuro dos grupos

As gravadoras dos grupos X1 e IZ*ONE se reuniram, juntamente com representantes da MNET para discutir o que será feito de ambos os grupos daqui em diante. Apesar de nenhuma decisão ter sido tomada ainda, fontes das agências afirmam que o disband é uma das possibilidades consideradas. Uma das fontes também afirma que a decisão final estaria nas mãos da CJ ENM.

VEJA TAMBÉM: Entenda o caso de manipulação de votos envolvendo o X1 e o IZ*ONE

Um representante da MNET reafirmou que nada está confirmado ainda sobre a possibilidade de dissolução dos grupos: “Devido à gravidade da situação, é verdade que estamos discutindo as futuras promoções de X1 e IZ*ONE sob diferentes ângulos. No entanto, nada foi confirmado sobre a possibilidade de disband […] como as investigações continuam, estamos esperando os resultados.”

Na última semana foi reportado que os membros do X1 e suas respectivas empresas não teriam recebido nenhum tipo de pagamento até dado momento, mesmo após mais de 500.000 cópias vendidas do álbum de debut, eventos e outros. Por outro lado, representantes das agências afirmam ser normal que o grupo não tenha recebido ainda, já que fazem apenas 3 meses do debut e toda a receita gerada pelo grupo ainda precisa ser apurada.

A controvérsia envolvendo os realitys shows da MNET teve início em julho, quando uma investigação policial foi iniciada para apurar as denúncias de manipulação de votos nos rankings finais dos programas. Rumores afirmam que até mesmo o TOP 20 do programa já teria sido escolhido antes mesmo das gravações. A situação ficou mais delicada após a prisão do diretor de produção do “Produce X 101”, Ahn Joon Young, no último dia 5. Trainees envolvidos no caso também foram intimados a depor e esclarecer todo o processo envolvendo o reality. Na prisão, Ahn Joon Young admitiu ter manipulado os votos das edições “Produce X 101” e “Produce 48”.

Fique ligado na KoreaIN para acompanhar o desfecho do caso.

FONTE: Allkpop, Soompi
Não retirar sem os devidos créditos